Imagem

Quarto, um lugar mágico: para dormir e criar!

cestos cama quarto leitura cabeceira colcha colorida criado mudo quarto schlaf

É nele que a gente recupera a energia. Por isso mesmo, deve sempre ter a sua cara, seu jeito e decorado da forma que você mais gosta. Eu gosto sempre de deixar tudo arrumado. Quando eu era pequena, falava para minha mãe que não precisava arrumar a cama, já que de noite ia desarrumar de novo (hoje, meu filho falam a mesma coisa para mim). Só que não, hoje aprendi que a cama é a primeira que tem que estar arrumada. É a primeira coisa que faço todos os dias, não saio do quarto sem ter feito isso. Quando tudo está no lugar, parece que até os pensamentos ficam mais organizados. Não tem a interferência visual da bagunça.

Acho lindo um quarto claro com peças coloridas, mas também gosto da ideia de ter uma parede pintada com cor forte… mas depois de um tempo cansa. Porém, hoje em dia tem tantas opções para redecorar sem gastar muito, que vale a pena arriscar um pouco e dormir “diferente” por uns meses não?

Me lembro um dia que meu marido foi passar o dia na praia com meu filho e eu não quis ir junto. A casa ficou vazia, só para mim! Fui a primeira a entrar na C&C e comprei tudo para pintar, fui numa dessas lojinhas de decoração e comprei almofadas e alguns enfeites para redecorar o quarto. Fiquei o dia todo trabalhando! mas quando ele chegou, tinha um quarto novo totalmente de surpresa. Achei gostoso surpreender assim!

Seja mais, seja você!

 

 

Nota

Ser filha também é difícil!

franFrancine é minha filha querida! Hoje conversando, ela me disse: Mãe, entendo que ser mãe é difícil, você se preocupa, quer saber onde estou, com quem ando, se envolver nas minhas decisões  e etc… mas ser filha também não é fácil, principalmente se for filha única. Porque eu preciso viver minha vida, fazendo as minhas escolhas, mas também preciso atender as expectativas de todo mundo, de você, do meu pai e dos meus avós, que não necessariamente são as minhas. Então fico dividida o tempo todo, não quero desapontar vocês, mas também quero viver a minha vida como acho melhor.

E sou obrigada a concordar com ela… Deve ser difícil driblar os pais para conseguir provar que nem tudo que pensamos ser o bom para ela, vai realmente ser. O modo com que eu quero que ela seja feliz pode não ser o que vai fazê-la feliz, aliás, acho difícil ela conseguir ser feliz se seguir o que eu penso. Ela é muito diferente de mim…

Portanto temos que encontrar um meio termo, chegar a um acordo em que, nas grandes decisões, ela nos envolva para podermos prepará-la ou mesmo ela nos preparar. Um exemplo disso é um desejo antigo dela: morar sozinha. Na verdade dividir um apartamento com uma amiga. Para isso, o primeiro passo é fazer as contas e ver se o salário sustenta a decisão. Depois encontrar um lugar que seja adequado e por fim encarar o dia a dia sem papai e mamãe.

Apesar de ter só 19 anos, vejo que a grande necessidade dela é ser independente e adiantar as dificuldades para amadurecer mais rápido e se sentir dona das suas decisões. Não entendo o por que dessa vontade, talvez sejamos sufocantes demais (apesar da educação mais liberal que tento dar). De toda forma, sou obrigada a admirar essa capacidade dela em se libertar do conforto e buscar uma vida mais simples porém sem abrir mão do valor primordial dela: liberdade.

Normalmente é o contrário, os filhos (principalmente do sexo masculino) querem cada vez mais ficar no conforto da casa dos pais. Muitos nem casam porque não querem abrir mão da comida, cama feita e roupa lavada – “sem ter que dar explicações sobre onde foi e que horas vai chegar”. Difícil encontrar mulher hoje que os faça trocar a casa dos pais por uma casa nova e mais, responsabilidades (mas esse tema das responsabilidades fica para outro post).

Enfim, se ser mãe é difícil, ser filha também é! Concordo com você filha! mas me orgulho da sua busca por responsabilidade e para querer provar para nós que você vai ser feliz vivendo do seu jeitinho!

Seja mais Fran, seja você!

Vídeo

Feitico do tempo: Você está enfeitiçado(a)?

Grande parte das pessoas estão enfeitiçadas, mas enfeitiçadas ao revés… Se feitiço é encanto e fascinação, muitos estamos presos na mesmice, esquecendo de nos encantar com as maravilhas que nos são apresentadas todos os dias.
Nesse filme, podemos ter uma ideia de como isso acontece: pense num cara mal humorado e de mal com a vida e o trabalho, esse é o personagem principal. Que tem a missão enfadonha de cobrir uma matéria banal numa cidade pequena dos EUA. Só que após a cobertura da matéria, que acontece no dia 2 de fevereiro, ele acorda no dia seguinte e está novamente no dia 2 de fevereiro e tem que fazer tudo de novo, ou seja, reviver o dia de “ontem” novamente, com tudo que ele menos gosta. E o filme segue assim, ele acorda e precisa fazer tudo de novo… está preso nesse dia continuamente. Inicialmente ele fica revoltado e agride as pessoas, depois começa a se acostumar e por fim, aprende que se os dias serão iguais, ele que precisa mudar para poder viver melhor. A partir desse aprendizado, ele começa a se divertir como um louco, tirando vantagem de todos os momentos que aparecem. Se torna uma pessoa carinhosa, romântica e de bem com a vida, se surpreendendo que agindo assim, o retorno é gratificante.
Concluindo, a lição do filme, é que, os dias são iguais, o que muda é como podemos aproveitar os momentos mudando nossa visão e não mudando o dia ou os outros. Não adianta esperar o amanhã achando que miraculosamente algo vai se transformar para você ser feliz! Você que precisa mudar, e se ficar sentado(a), nada vai mudar e seu mau humor vai continuar sendo sua principal companhia.
Seja mais, seja você!