50 anos, o melhor ano da minha vida!

Sim, fazer 50 anos é papo sério! Muitos dias vividos, mais de 18 mil dias. Pensa nisso, 18 mil dias!!! Sempre naquele esquema, acordar, levantar, decidir e fazer. 18 mil vezes levantando e fazendo…

Parece muito tempo para trás, e de verdade é. Por outro lado, foram muitas experiências vividas e muito aprendi ao longo dos anos. Estou no meio dos meus 50 anos, indo para 51 ano que vem. Posso dizer que “so far” é o melhor ano da minha vida. Dos 45 aos 50 fui em queda livre em vários sentidos. Fiquei meio sem rumo depois que sai do mundo corporativo, demorando para achar uma forma de viver sem ter uma empresa para ir todos os dias. Achei que tinha envelhecido. E ao mesmo tempo, fui aprendendo outro ofício, não querendo mais uma vida corporativa tradicional, fui para uma agência. Aprendi muito e sou grata aos que passaram por mim e investiram tempo para me ensinar. Retribui aos que me apoiaram da melhor forma possível, com todo meu empenho e profissionalismo, fiz mais que sabia e mais do que podia. Esse “mais do que” me estressou e me encaminhou para onde estou hoje. Definitivamente não quero mais estar dentro de uma empresa tradicional. Abri meu próprio espaço fora desse contexto. Hoje sou empresária. Atuo em duas frentes, uma numa atividade que me faz bem pessoalmente e espiritualmente, que é a Web Senior – Inclusão Digital para Maturidade, e outra que me faz pensar, analisar e entregar toda minha experiência acumulada nos anos de trabalho tradicional nas grandes empresas, que é EZ Branding Digital, onde faço Consultoria e Execução de Marketing Digital para Pequenas e Médias Empresas.

São duas atividades diferentes mas que se entrelaçam pela Tecnologia. Uma vende o serviço e outra consome o serviço. Eu faço a estratégia para atingir mais pessoas e ao mesmo tempo ensino os consumidores a usar e aproveitar os benefícios da Internet/Tecnologia.

Mas não vim falar das atividades profissionais, apesar delas serem pano de fundo para minha satisfação. Vim contar que os 50 tem seus problemas, como a famosa menopausa, mas que hoje há diversas opções para driblar esse tema com facilidade. O primeiro passo para assumir e buscar ajuda que é mais difícil e até ele chegar, eu sofri bastante. Desde a pele caindo, o corpo ficando redondo até os típicos calorões. Meu Deus!!! fui até o fundo do poço para tomar uma atitude de buscar ajuda para resolver todos eles. Consegui, na verdade, estou conseguindo. Ainda não cheguei lá, mas garanto que estou muito bem encaminhada. Meu conselho? se você fizer como eu e ficar durona, pode ter uma retomada demorada, igual eu tive… eu hoje teria buscado alternativas mais cedo. A reposição hormonal é fantástica! Hoje há muitas alternativas de quantidade a ser aplicada. Logicamente que por médicos sérios e considerando seu histórico de saúde familiar. Não estou aqui incentivando uso de hormônios sem sustentação médica, mas sim dizendo que os sintomas começam e a gente vai se acomodando neles achando que vai passar até você estar muito fora de si mesma. Vivendo num corpo que não é seu, evitando eventos para não se constranger com os calorões e as alterações de humor.

Pensando na idade e no que ela traz, vejo que com o passar dos anos, o espelho se faz menos necessário e vai sendo substituído por uma busca interior. Ou seja, ao invés de olhar para fora, passamos a olhar mais para dentro, buscando respostas em nós mesmas e não no lado de fora, no espelho ou nos outros. Acredito que nossa vida interior fica muito mais rica, temos mais tranquilidade para buscar alternativas, respostas e vida dentro da nossa criatividade de pensamentos. O peito enche de ar novo, a vida fica mais simples, mas mais viva. A vida começa vir de dentro para fora e não de fora para dentro. Então penso, a menopausa significa a incapacidade de gerar filhos mas a capacidade de nutrir os filhos com nossa sabedoria acumulada. Hoje, meus filhos precisam tanto de mim quanto precisavam quando crianças. O cuidado é outro, é saber segurar as pontas das dores, indicar o caminho mais curto para felicidade, apoiar as decisões arriscadas mas importantes, brindar a cada vitória, mostrar que há dias tristes e felizes mas que ambos tem suas nuances de sabedoria, ter paciência com a estrada, porque é nela que trilhamos a felicidade, que a vida é sim feita de altos e baixos, mas a sabedoria vem da humildade em viver o alto como se estivesse na baixa e a baixa como se estivesse na alta, não ter inimigos, apenas entender que são pessoas cujas afinidades e energias são diferentes das nossas, e por fim, que cuidar dos que amamos deve sempre ser mais importante que tudo na vida. Ninguém e nenhum trabalho deve te tirar desse fim, assim como era quando os filhos eram bebês.

Um post longo, fazia tempo que não escrevia. Há vários na incubadora da minha mente, mas solto em doses homeopáticas, para não encher a cabeça dos outros com as minhas ideias, pontos e vista e atividades.

Beijo

#sejamaissejavoce

 

 

Anúncios