Vou lá fazer meus 21km e já volto

21km 20160203_151938

Para os corredores sem ambições de se tornar atletas e que correm para fazer exercício e se manter  saudáveis, correr uma prova maior, com distância acima de 10km, se torna um evento. Esse evento, para acontecer de fato, exige treinar o corpo para atingir a quilometragem desejada sem passar por grandes sofrimentos e nem terminar a prova com o gosto de “não quero mais”. Sim, muitos dos que desistem de correr o fazem por ficarem traumatizados com a prova em si, já que não houve um preparo adequado. E na hora da prova, vale tudo, com dor ou sem dor você cruza a linha de chegada, no mather what. A adrenalina que te envolve aliada à energia das pessoas de todas as raças, cores, idades e motivações é tão grande que nenhuma dor interrompe sua jornada. Por um outro lado, tudo na vida tem um preço, quando não se paga antecipado, programando treinos adequados, se paga depois, se distanciando de um esporte prá lá de democrático, acessível, saudável, flexível e moldável a todos os tipos de pessoas com qualquer tempo disponível. Correr é um esporte que exige apenas um tênis relativamente bom para não machucar as articulações e tempo, qualquer quantidade. Simples assim e você está dentro da atividade.

No início desse ano decidi treinar mais sério e atingir o objetivo de correr minha primeira meia maratona. Não é nada importante quando você está ouve as conversas dos corredores há tempos na estrada, que correm as maratonas (42km), os solos de 75km e assim por diante. A minha será de 21km. Estou feliz por estar dando um passo desses que para mim já é um grande feito, faço provas de 10km há alguns anos e não muito mais que isso.  E o mais importante disso tudo, é estar conseguindo manter a consistência e regularidade nos treinos para evoluir aos poucos o meu corpo sem me machucar. E para que essa regularidade seja mantida, muitos outros programas tem sido deixados de lado, tanto os gastronômicos quanto os encontros com amigos para uma tacinha. Uma agenda de treinos envolve dias mais puxados, com maiores quilometragens e dias com menores quilometragens mas com ritmos mais acelerados, é como se você não pudesse faltar em nenhum, pois todos são importantes para sua evolução. Lembra na escola, quando você queria faltar e olhava a agenda de aulas para saber qual delas você poderia ficar sem? e cada dia tinha uma que você pensava, essa não posso faltar porque é importante, a outra não posso porque tirei nota baixa na primeira prova, e a outra não posso também, porque já faltei mês passado. Logo, o meu compromisso com a agenda proposta tem sido motivo de orgulho para mim mesma. Esse orgulho não tem a ver com abrir mão das muiiiiiitas coisas e pessoas gostosas da minha vida temporariamente, mas sim com a minha determinação no objetivo ao qual me propus.

Aos amigos e eventos gastronômicos: sinto muiiita falta de tudo isso!!! Vou lá fazer meus 21km e já volto!!!

Por isso que eu falo, seja mais, seja você!

 

 

 

Viva la Vida – Cold Play

Viva la Vida (clique para ouvir a música)

Grande parte dos meus treinos são feitos na Av. Sumaré, que inicia na Rua Turiassu e segue até a Av. Henrique Schaumann. Uma ida e volta chega a quase 7km, variando de marcador, o Garmin diz uma quilometragem e o Runkeeper diz outra. Qual é exatamente o correto não sei dizer e também o importante é seguir um marcador e manter o foco, mais do que medir alguns metros a mais durante os treinos.

Na Turiassu fica localizado o Palestra Itália, recém reformado e orgulho de todos os Palmeirenses. A reforma transformou o estádio em uma das grandes arenas de shows de São Paulo, e uma das maiores arenas multiuso do mundo. Nunca fui, mas acredito que tenha ficado muito bom, porque grandes shows têm acontecido por lá.  Ontem foi a vez do Cold Play, que diz ser essa sua última turnê e não deixou a desejar, foram 45 mil fãs delirando com as músicas envolventes da banda. Hoje, soube que teve até atendimento de pedido de fã, que queria ficar noivo com toda platéia como testemunha, e assim foi. Um noivado testemunhado por 45 mil pessoas, que responsa essa hein… lá na frente espero que esse momento romântico não seja motivo para se jogar na cara durante uma briga: “e eu acreditei que você fosse aquele(a) romântico(a) que me pediu em noivado na frente de 40 mil pessoas.. você me iludiu!”

Mas meu ponto é, tudo é relativo nessa vida. Eu adoraria ter ido no show, a música “Viva la vida” é muito importante na minha vida. Primeiro porque foi a música que minha filha escolheu para entrar em sua festa de 15 anos, quando eu mal conhecia a música. E segundo, porque a mensagem dela é muito verdadeira, entre a fantasia da letra, a mensagem é de que nossa vida é muito frágil (“I discovered that my castles stand upon pillars of salt and pillars of sand”) e um dia estamos firmes e sólidos mas no outro, estamos por baixo. Porque viver é assim, num dia somos uma estrela brilhando no palco e no outro, acordamos como seres humanos comuns, que possuem problemas iguais aos outros e temos nossas vontades insatisfeitas, frustrações e inseguranças.

E ontem, eu correndo na Av Sumaré algumas horas antes de começar o show, também percebi a relatividade da vida, eu feliz por estar suando a camisa pela corrida e os fãs felizes descendo e correndo na ansiedade pré-show. Cada um indo para seu destino, ambos correndo e felizes mas com objetivos de noite diferentes uns dos outros. E o Viva la Vida segue valendo tanto para eles quanto para mim! Vamos viver o que temos para viver, porque os únicos responsáveis pela nossa felicidade somos nós mesmos!

Seja mais, seja você!